30 de abril de 2012

Comunicação Truncada

Bom... eu sabia que isso um dia ia acontecer, só não imaginava que ia ser tão cedo. Eu comentei em um post sobre prostituição, de forma propositalmente neutra, mas mesmo assim algumas pessoas se revoltaram. Para quem não sabe do que falo, o post foi esse:


E a seção "polêmica" do post é essa:

Primeiro, analisem... porque minha historia é interessante? Porque é diferente. Não faço programas, não faço performances, quero terminar a faculdade e trabalhar em uma empresa, e ainda por cima não fiz isso para ficar com homens e com certeza nunca serei ativa com um.

E a reação externa foi essa:



KERIDASSS AMADASSS DO GRUPO ESTE SENHOR QUE SE CHAMA >>>>https://www.facebook.com/mayviamonte É UM LOUCO ADD ELE NA COMUNIDADE MUNDO T GIRLS ADORA DESMEREÇER A MENINAS QUE FAZEM PROGRAMAS PRA ESTE CARA DE FEZ MUDANÇA FEMINILIZAÇÃO NESTE ROSTO DELE QUE AINDA ESTA DE HOMEM SE MANCA QUERIDO MAYRA VIAMONTE VAI APANHAR MUITO NA CARA PRA RESPEITAR AS TRAVESTIS SEU LOUCO RESPEITE A TRAVAS QUERIDOOOOOOOOOOOOOOO NÃO GOSTOU VEM ME PEGAR SUAM MARICONA RIDICULA FRUSTADA NÃO SABE SE É HOMEM OU MULHER SEU DOIDO NÃO GOSTOU QUERIDA PULAAAAAAAAAAAA VC É UM DOIDO NÃO SABE OQU QUER DA SUA VIDAA GORA HUMILHA AS MENINAS QUE FAZEM PROGRAMA NO SEU BLOG VC SABE NÉ SEU LIXOOO MOSTRA PRA ELAS QUE VC HUMILHA AS MENINAS QUE TRABALHAM NA RUA SUA MARICONA LOKAAAAAAAAAAAAAA MOSTRA ATÉ EXCLUI O POST DO SEU BLOG SUA LARGAAAAAAAAAAA

*Suspira*... Enfim. Em primeiro lugar, algumas regras de etiqueta básica na internet


Escrever em caps lock e sem acentuação torna a leitura difícil, lenta e desgostosa. Ou seja, se você quer passar uma mensagem de raiva e revolta, a transmite melhor observando corretamente as regras de ortografia e gramática. Tendo dito isso, me desculpo pelo eventual erro que permanece nas minhas postagens. Meu teclado foi comprado em uma promoção por 60% do preço original justamente por ter vindo da Itália (e consequentemente, não possuir nossos acentos), e meu Microsoft Office é americano. Ou seja, eu não tenho nenhum sistema de fácil acesso de auto correção, e tenho muitas vezes que buscar a palavra escrita corretamente pelo Google. Apesar das dezenas de leituras que faço antes de postar, sempre sobra algum erro.

Segundo, uma regra básica de convivência por qualquer meio de comunicação é esclarecer e resolver seus problemas pessoais da forma que os adquiriu: pessoalmente. Ou seja, "não gostou, fala na cara." A pessoa que postou o texto acima o colocou em uma comunidade e me excluiu sem qualquer pergunta, dúvida, conversa ou a simples sinceridade que faz do ser humano, humano.

Agora, à parte da aula de interpretação textual. Eu disse que minha história é "diferente". Para quem não sabe o que é "juízo de valor", é afirmar que algo é melhor ou pior do que outra coisa. "Preconceito" é dizer que algo é melhor ou pior que outro sem ter a devida experiência de contato direto com ambas as partes. E a vida me ensinou que mesmo depois de conhecer intimamente duas coisas ou duas pessoas, compará-las e colocá-las em uma escala hierárquica vertical é perigoso e pouco aconselhável. Então eu evitei isso completamente na comparação que fiz e não exprimi minha opinião. Diferente não é sinônimo de melhor nem pior em nenhum dicionário do mundo. Eu sou diferente daquelas que praticam a prostituição como sou diferente dos negros, dos gays, dos índios, dos japoneses, dos africanos, do meu gato e do cachorro. Isso pra algumas pessoas é obvio: eu sou diferente dos negros na cor da minha pele. Ela é branca. Dos japoneses na nacionalidade. Sou brasileira. Das prostitutas, na profissão. Sou desempregada ferrada mesmo. Da mesma forma que sou diferente das pessoas que trabalham com seguros ou com tele-atendimento.

Ok, entendido isso, ainda assim a pessoa pode dizer que fui preconceituosa ao dizer que minha história é interessante porque é diferente. Para afirmar isso eu usei um conceito básico da psicologia humana: o interesse pelo diferente. Quantas pessoas leriam meu blog se eu fosse heterossexual, ou seja, gostasse de homens, e fosse prostituta ou transformista? Muito menos. Por que, por eu ser melhor que essas pessoas? Não, por eu ser diferente. Essas histórias muitas de nós já ouvimos várias vezes, e é um funcionamento simples do nosso cérebro filtrar situações familiares e negar nosso interesse. Ou seja, vemos alguma coisa pela milionésima vez, "passamos batido", como é dito. Só isso. Só. Isso.

Depois dessa enrolação toda, minha opinião sobre prostituição: eu não gosto e não vou fazer porque não me sinto confortável e, por benção divina ou seja lá no que você acreditar, tive a sorte de ter uma família que pode me sustentar e aceita fazê-lo mesmo eu sendo transexual. Muita gente pode achar o que vou falar agora óbvio, mas pelo visto o óbvio precisa ser enunciado: isso não quer dizer que eu sou melhor do que quem precisa da prostituição para se sustentar. Ponto final. Diga-se de passagem, essa é uma profissão extremamente útil para muita gente. Por vezes é a primeira experiência sexual do indivíduo, ou mesmo sem ser, é uma excelente forma de aprendizado sobre o ato, sobre o prazer, sobre o próprio corpo e o alheio. Serve de válvula de escape para muitas pessoas, ajudando-as a se equilibrar e manter sua vida apesar das dificuldades. E é a unica fonte de renda de muita gente, possibilitando-as uma existência digna. Sim, digna. Você leu até aqui e ainda achava que eu considerada a prostituição uma vida indigna? Eu disse que não me sinto confortável com ela, da mesma forma que não me sinto confortável com o trabalho de telemarketing ativo, porque eu não me sentiria bem em causar transtorno às pessoas de ficar ligando para suas casas e oferecendo produtos aos quais elas não tem o menor interesse. Não deixa de ser digno, só não está de acordo com meus princípios.

Bom, pessoal... é isso. Me desculpo se causei algum transtorno emocional à alguém, se alguém se sentiu ofendida e/ou humilhada pelo que falei. Nao foi minha intenção, me desculpo e espero ter corrigido essa impressão.


...mas se até agora alguém ainda acha que eu fiz de propósito. Bom. Foda-se. Não há mais nada a ser feito.

Beijos,
MayB