17 de abril de 2012

Tapete Vermelho

Bom, voltando à nossa programação normal, venho agora contar como foi minha primeira entrevista de emprego e minha primeira aula movimentada. Sexta eu havia ido à faculdade, mas tinha pouquíssima gente... então ontem foi o primeiro dia de abertura ao pessoal de lá.

A Entrevista

Bom, primeiro o caminho para lá. To me sentindo bem estranha às vezes pois sinto que sou bastante olhada. Agora, se é porque estou bonita ou porque me descobriram, não saberei jamais. Usando da força positiva e das mensagens de carinho de muita gente (vocês, inclusive!), vou acreditar que é a primeira opção. Ao chegar mostrei minha carteira de identidade à recepcionista e pedi polidamente para ela me anunciar, pelo telefone, como Mayra. E assim ela o fez, sem titubear. Depois de um tempo ela me direcionou à outra sala onde se daria a entrevista mesmo, toda arrumada, ar condicionado bom, confortável. Me sentei e aguardei o entrevistador. Ao chegar, me cumprimentou e expressou sua duvida com relaçao à marcaçao de horarios. Afinal, para aquela hora havia um tal de  Marcelo marcado. Então eu disse que era eu.



Ele ficou visivelmente surpreso e se desculpou por isso. Perguntou, logo depois, como eu gostaria de ser chamada. Legal, né? Durante a entrevista, além das perguntas normais, ele me perguntou "como é minha relação com as pessoas". Eu concluí que ele estava perguntando o que aconteceu com o Marcelo, se eu tinha uma vida dupla... e expliquei que não, nunca vou chegar à empresa dele de terno e gravata e falar grosso, Marcelo faleceu. Depois, ele disse honestamente que essa era uma questão a se considerar também, levando em conta que meu cargo ia exigir bastante contato com pessoas, mas quis deixar claro que nao era fator exclusivo. Nessa hora pareceu que ele estava tentando ser um pouco mais educado do que sincero, com a questão de não ser exclusivo - mas isso pode ser so paranoia minha. A parte que ele fala que é um fator a se considerar foi de grande honestidade e eu gostei.

Bom, no final ele me fez uma pergunta que me pegou de surpresa. A próxima fase iria ser feita com outra pessoa, com quem eu trabalharia diretamente - e ele queria saber como me apresentaria, no sentido de falar que eu era trans ou não. Eu acabei (depois de me enrolar consideravelmente) falando pra ele falar de cara... mas depois pensei, não precisava. Não que eu não fosse falar antes de terminar o processo, mas pensem comigo: a primeira fase tinha uns 20 e poucos candidatos. A segunda, três. Entao se eu falasse no final da segunda entrevista, por mais que ela nao me quisesse por isso, ela ainda teria outros dois candidatos bons para escolher. E por outro lado, já teria me visto pessoalmente, o que é importante: afinal minha aparência é boa, minha voz é razoável e é dificil para uma pessoa dizer que eu sou trans. Ela pode tirar conclusões pessimistas sobre a minha aparência e nem me chamar pra segunda fase, agora. Mas enfim... fica a lição pra próxima vez.

Ao se despedir me cumprimentou novamente, me agradeceu por ter ido e avisou que em menos de 10 dias ele já queria aquele processo concluído, então a resposta não demoraria. Vamos ver no que dá, nao é? No fim das contas o importante foi: aprendi sobre aquela pergunta fatídica e me sinto mais preparada e confiante caso eu tenha que ir à outras entrevistas.

A Aula

A aula foi mais leve... e mais engraçada. Os professores já estavam informados, já sabiam o que esperar. Dos alunos, muitos não faziam ideia. Então eu curti muito a expressão de surpresa, susto, espanto, estranheza... tinha uns rapazes que cutucavam os outros, me apontavam discretamente e dava pra ler em seus labios: "Que P.... é essa?" Há, eu só ria. Sério, esse tipo de coisa não me incomoda, eu acho graça. E na segunda aula algumas meninas vieram falar comigo, acabamos batendo um papinho de roupa, maquiagem, sabe, bem coisinha feminina. Adorei. Recebi elogios também e é claro, considerando o quão insegura essa situação me deixa, isso me dá uma força muito importante. "Está super natural", uma delas falou. Amei. Enfim, uma outra já tinha visto as mudanças que pus no face, mas falou que foi fantástico me ver ao vivo mesmo assim. Disse que principalmente de lado eu pareço outra pessoa completamente diferente. Tenho de concordar. Disse que vai viajar agora em Maio e que se eu quiser, me trás maquiagens. AHHH, se não? Hiuehaueiae...


Pequena Comparação Antes / Depois
  
Aqui com minha edição tosca no Paint, ajudando a visualizar a diferença no formato do rosto.
Vale lembrar que meu nariz e queixo ainda estavam muito inchados e vão perder bastante tamanho ainda...
  
Uma outra menina quis me ver no fim da aula. Me abraçou, batemos papo, rimos um pouquinho. Não tínhamos muito contato antes, mas adorei aquele tempinho depois da aula. E depois vamos sair pra conversar mais. Ela é um doce, então acho que vamos nos divertir =)

Beijinhos, gente