15 de maio de 2013

Pequenos pedaços de alegria

- Por Leina Ziur

Oi Pessonhas! (Pessoas + Peçonha, é proposital)

Tive uma recepção muito calorosa no meu primeiro post com 83 curtidas até o momento e um feedback muito positivo de vocês seus lindo tudo! Muito obrigada!

Uma das coisas que eu sempre reparei enquanto procurava conteúdo sobre transexualidade era a imensa quantidade de mimimi envolvido. Inclusive, o feedback que eu tenho recebido do meu tumblr é justamente que eu tento abordar as coisas de uma maneira positiva e bem humorada e isso é incomum. Não me entendam mal, a vida dxs trans é sofrida do inicio ao fim e isso é algo que nós *NÃO* podemos deixar de lado jamais, mas assim como nem tudo são flores, eu acho importante também ressaltar que nem tudo é essa merda enorme que parece uma constante em nossas vidas. Como poderemos encorajar outrxs trans a viverem plenamente se a gente só reclama?

Acredito que tudo depende do ângulo pelo qual observamos os acontecimentos de nossas vidas, e isso serve, na prática, para absolutamente qualquer pessoa insatisfeita com sua própria vida, trans ou não. Podemos dizer até que sentiremos pequenos prazeres na vida que nenhum ser cis vai ser capaz de sentir, pois não lhes é relevante (há! chupem!). Citarei alguns exemplos da minha experiência pessoal que eu jamais poderia sentir se fosse cis:

- Aquele momento que, depois de anos se negando, você acorda de madrugada desesperada, se veste com o babydoll da namorada, se olha no espelho, se vê como mulher e chora toda a sua alegria por enxergar a si própria, e não uma forma mutilada;

- Quando te identificam no gênero correto mesmo sem te conhecerem;

- Quando aquele shortinho fica melhor em você do que na sua amiga cis;

- Quando alguém próximo te dá roupa feminina ou maquiagem inesperadamente;

- Quando acham que você é a namorada da sua melhor amiga cis (que nem é lésbica)...

O mundo é feito de pequenas alegrias. Não é sua carreira que te faz feliz, é seu cachorro te amando incondicionalmente. Não é o seu diploma nem o fim do TCC, é ter alguém pra te falar que te ama todos os dias. Não é o quanto te elogiam pelo seu bom desempenho no trabalho, é o quanto você se elogia por ser quem é. Se eu vivo feliz, é por que eu aprendi que a felicidade é o caminho, e não o objetivo da vida. E também por que eu dou risada que nem idiota de qualquer coisa, mas abafa o caso.

E vocês, leitores e leitoras trans, quais pequenas alegrias vocês têm para compartilhar com quem precisa dessa motivação extra? Deixem aqui nos comentários ou então na pagina do Facebook!

Beijos e até mais!

- Por Leina Ziur

Ps: Ugh, isso ficou tão auto-ajuda...