18 de abril de 2013

Transexualidade para Iniciantes

Eu escrevi um texto para outra Page no Facebook e ele teve um retorno bastante positivo. Vou, dessa forma, torná-lo mais permanente aqui acompanhado da mesma imagem que estava com ele na postagem original.

*****

Seios com Pênis – Transexualidade Humana

Geralmente sabemos duas coisas sobre transexualidade. Uma é o exemplo próximo de nós: travestis da Augusta ou da Glória, "homens que gostam de homens, se vestem de mulher, e só ganham dinheiro alugando o corpo", como se diz. O outro é uma definição teórico-científica da Wikipédia ou de documentários da TV fechada falando sobre "a pessoa que mudou ou quer mudar de sexo".





Tudo isso é muito raso. Primeiro porque a primeira percepção é preconceituosa e essa parcela da população trans é um pequeno percentual do que somos. Segundo, porque a definição padrão conhecida é incompleta. Deixe-me explicar.

Transexualidade e homossexualidade não são dois graus em uma mesma régua. Ninguém fica “tão gay, mas tão gay, que quer ser mulher”. Eu sou uma mulher transexual lésbica. Conheço homens transexuais gays. Conheço pessoas transgêneras que não definem seu próprio gênero e são bi ou assexuais, no sentido de não se relacionarem com ninguém.


Transexualidade não é profissão. Não se muda de corpo, identidade, imagem, faz-se cirurgias e toma-se hormônios para ganhar dinheiro. Na melhor das hipóteses, faz-se para perder: é tudo muito caro. Além disso, nossas capacidades não se restringem à prostituição assim como a dos negros não se restringem ao trabalho braçal, coisas que já foram afirmadas com a mesma certeza em épocas diferentes. Trans são vereadorxs, empresárixs, engenheirxs, técnicxs de informática, professorxs, mecânicxs, lutadorxs de MMA, tudo... tudo, como qualquer um pode ser.

Transexualidade nunca foi provado ser causado por hormônios diferentes durante a gestação ou por algum gene específico. As pessoas se sentem confortáveis se apresentando de um gênero ou de outro assim como se sentem confortáveis em um país ou em outro, em uma profissão ou em outra, com um parceiro ou com outro.

E por fim, o pênis e a vagina definitivamente não devem, hoje em dia, definir o gênero de alguém, assim como a cor da pele não devia outrora definir o papel na sociedade. Já pensou se fomos separar homens e mulheres em genitais, os problemas? Nenhum problema? Deixe-me explicar novamente. Usando este parâmetro, para os nativos da África Central ou da Saariana, a população japonesa é quase exclusivamente feminina. Por outro lado, as mulheres halterofilistas, por terem seus clitóris desenvolvidos, maiores, se tornam homens, e devem mudar seu sexo e nome no RG. Se a mulher nascer com uma deficiência na formação da vagina, é homem, e se o cara tiver o pau meio fraquinho...?

Transexualidade é uma característica. Como a orientação sexual. Como a cor da pele. A altura. Tamanho do pé. A mão com a qual você escreve. Ou o tipo de hobbie que você curte.

Pessoalmente, acho que seria melhor matarmos os termos transexual e seu oposto, cissexual, e desistir de definir as pessoas em gavetinhas rotuladas. Já parou pra tentar definir a orientação sexual de duas trans não operadas na cama? Desiste, é como dividir por zero, sua cabeça vai explodir. E eu não vou catar os cacos.