1 de abril de 2013

SUS. dos E.U.A. cobrirá CRS

Muitas siglas, mas a questão é simples. Os Estados Unidos possuem uma lei federal de efeitos similares à existência do SUS: possibilitar tratamento médico para aqueles que não tem condição de pagá-lo. Uma das maiores brigas durante todo o governo Obama foi a intenção presidencial de expandir o alcance desse plano, possibilitando que ele cubra mais procedimentos e, consequentemente, taxe mais pesadamente a população para sustentar estes gastos adicionais. O problema de lá para aprovar uma lei dessa é que os impostos são baixos, e tentar aumentar isso é algo que enfurece a população (ao contrário daqui, que todo mundo vai assistir Fla x Flu e tá pouco se lixando se o imposto vai aumentar).




Enfim, o projeto está em andamento e pode começar a cobrir a operação de redesignação sexual. Isso até agora não acontece porque a operação está categorizada como experimental. A última atualização sobre ela na legislação foi em 1981, e na época isso era verdade. Obviamente, não é mais o caso, e a mudança está sendo proposta para que a cobertura comece dia primeiro de janeiro de 2014. Há inclusive uma preocupação textual: o nome da operação está sendo atualizada de "cirurgia transexual" para "tratamento cirúrgico para desordem de identidade de gênero".

A notícia original é essa, e uma explicação mais elaborada sobre o tratamento médico público dos EUA você encontra aqui.

Boas notícias para nossos irmãos e irmãs do hemisfério norte =)

Beijos,
Mayra