26 de fevereiro de 2013

Colaborações: Iniciando o Tratamento Hormonal

Leina Ziur, autora do texto,
 em seu primeiro cosplay de Poison.
Uma amiga paulista, que conheço há alguns meses, realizou sua primeira consulta com uma endocrinologista especialidade em tratamento a transexuais e conta, neste breve trecho, sua experiência mais satisfatória e menos cara do que muitas imaginam.

*****

‎*Ouvindo Garbage - Cherry Lips*

http://letras.mus.br/garbage/cherry-lips/

Semana passada eu tomei coragem pra fazer algo que eu vinha procrastinando tem muito tempo: Procurar umx endocrinologista, de preferência umx especialista em transexualidade. Google, nosso amigo para todas as horas dúvida, veio ao meu resgate: Digitei "endocrinologista transexual" e o primeiro resultado foi a a Dra. Marcia Forster, formada em 1997 e especializada em transexualidade desde 2008.



http://www.clinicamarciaforster.com.br/

Me bateu um medinho antes de ligar. Não por ser este assunto específico, quem me conhece sabe o quanto eu ODEIO e evito falar no telefone, até para pedir pizza. Então, pra variar um pouco, enrolei até ter coragem de ligar, mas liguei! Às 20h08, e o atendimento telefônico só funciona até as 20h ¬¬. Falha minha, confesso, mas liguei na manhã seguinte e consegui agendar uma consulta.

A Doutora Marcia só atende nesta clínica entre as 9h e às 13h de terça-feira, mas consegui um agendamento para a terça-feira seguinte, dia 26 (data na qual escrevo este texto), às 9h40 da manhã. O consultório fica perto do meu trabalho, então eu saí de casa um pouco mais cedo do que eu sairia para ir ao trabalho, caso encontrasse trânsito surpresa.

==== Parte irrelevante ====

Quem mora ou trabalha na capital de São Paulo sabe o quanto o trânsito é um fator imprevisível, e que a gente SEMPRE tem de se preparar para o pior. E fiz muito bem em me preparar, pois o trânsito hoje estava um inferno e mesmo saindo mais cedo eu não ia chegar a tempo na clinica fazendo o caminho de sempre. Desci do ônibus no qual estava fora do ponto e peguei outro que vai pelo corredor, para tentar fugir do transito. A partir daí foi uma agonia só: Meu tempo estava acabando e não havia nada que eu pudesse fazer para o ônibus andar mais rápido. Cada ponto que o ônibus passava sem parar era uma alegria, cada ponto e semáforo que o ônibus parava era uma tortura. Cheguei no ponto no qual desceria às 9h30, mas teria de andar um pouco para chegar ao consultório. Se eu estivesse de machinho eu correria como o vento, mas de salto isso é meio complicado, ainda que o salto seja baixinho. Mas andei o mais depressa que pude. Cheguei no consultório. Olho no relógio: 9h39. Alívio imediato!

==== Fim da parte irrelevante ====

O Treinamento dos funcionários do consultório é ótimo. Desde a ligação, na qual eu me identifiquei com meu nome social, até a recepção, eu fui tratada como tal. Paguei a consulta (Comento o preço depois), fui levada até uma sala de espera a parte. Tudo muito confortável, água, televisão, tratamento respeitoso e atencioso sem igual. Espero poucos minutos, que foram ótimos para eu me acalmar e a Doutora chega, já me chamando pelo meu nome social. Ótimo!

A conversa foi bem bacana. A Dra. Marcia me perguntou exatamente o que eu tinha em mente e eu disse que tinha intenção de transicionar de menino para menina, mas não de fazer a cirurgia. Ela tirou minhas duvidas, fez algumas perguntas sobre minha vida e trabalho, descontraidamente mas com muito respeito. Ela me deixou muitíssimo confortável o tempo todo e parecia que já nos conhecíamos a tempos.

No fim, ela me passou uma guia para fazer um exame de sangue com MUITA coisa assim que possível, outra guia pra fazer um exame menos completo para 2 meses depois e só então teríamos outra consulta. Ela também me passou 2 receitas para os medicamentos (uma para comprar em qualquer farmácia e outra para o caso deu querer manipular os medicamentos), que eu deveria começar a tomar depois de fazer o primeiro exame.

Não comentarei aqui o teor da receita pois não quero ser responsável por alguém segui-la sem orientação médica e depois ter complicações.

A consulta durou uns bons 40 minutos e eu saí de lá com todas as minhas dúvidas saciadas.

==== Considerações Finais ====

A Consulta custou 180 Dólares Bison (OF COURSE! -sqn), também conhecidos como Reais. No começo me assustou um pouco por que eu nunca fui muito ao médico e, quando fui, fui pelo convênio, mas dei uma pesquisada e descobri que é normal para região (com depoimentos de uma consulta ginecológica custando 300 Dilmas!), então fiquei menos preocupada. A preocupação passou de vez quando eu percebi que a Doutora não ia me forçar a ficar voltando lá todo mês e que eu não teria de pagar pelos exames (o convênio cobre). Fiquei, na realidade, muito feliz de ter pago pois tenho relatos de amigas que estão na fila do tratamento pelo SUS a muitos meses, sendo tratadas com descaso para não conseguir nem uma consulta psicológica OBRIGATÓRIA, sem data para conseguirem. Se eu fosse seguir o SUS, faria tudo de graça, mas começaria o tratamento com tipo 30 anos, e isso não seria legal.

Penso na injustiça, que hoje me favorece, pois tenho um bom emprego que me aceita como sou e tenho condições de pagar por esse tratamento, enquanto a maioria das nossas colegas trans e travestis sofrem pra ganhar merreca e se veem obrigadas a se prostituírem para alcançar uma forma que condiz com sua identidade. Sinto muito pelas mesmas e espero que esse tipo de sofrimento tenha fim. Espero um dia poder fazer algo a respeito das mais necessitadas.

Mas por enquanto, o que eu posso fazer é compartilhar minhas experiências na esperança de que isso também às ajude.

Agradecimento especial para Akei Camakira, sem a qual eu não teria me aceitado, Mayra, que me ajudou muito com sua experiência e coragem, e todas as amigas e amigos que me apoiam e me aceitam como eu sou. =D

By: Leina Ziur

*****

A parabenizo pela iniciativa e fico feliz de estar dando o primeiro passo médico nessa longa estrada de satisfação e auto-realização. Aproveito para afirmar meu orgulho de a conhecer e de poder ter influenciado nessa decisão, por mais superficial que minha influência tenha sido.

Beijos,
Mayra