30 de janeiro de 2013

Deus é Trans

Navegando pelas interwebs, encontro constantemente um argumento bastante engraçado para tentar deslegitimizar a transsexualidade como possível característica em um ser normal e igual em direitos e deveres aos outros. Deus criou o homem e a mulher e é assim que deve ser, não se pode mexer na obra de Deus, isso é contra a natureza, não existe no mundo natural. Analisemos essa linha de raciocínio, pois bem?

Bruce Bagemihl, um biólogo e linguista canadense, escreve no seu livro Animal Homosexuality and Natural Diversity (Homossexualidade Animal e Diversidade Natural), de ISBN 0-312-19239-8, como já foram encontrados relacionamentos homossexuais em mais de 1500 espécies não-humanas. Relacionamentos estes de muitos tipos, do sexual, ao protetor, à criação de filhotes com pais do mesmo gênero. Esse é só um dos exemplos literários, obviamente. Há uma lista enorme no artigo da Wikipedia sobre homossexualidade em animais.

Olhando pelo outro lado do espelho, analisemos outros casos. As espécies aracnídeas de Viúvas Negras matam seus parceiros machos logo após a cópula. Leoas copulam de 20 a 40 vezes por dia, não mais do que um minuto por vez, quando estão no cio. Gatos e porcos comem seus filhotes com ou sem motivo em diversas instâncias. Algumas espécies de roedores se reproduzem com parentes diretos, como o filho fecundando a mãe ou o pai fecundando a filha. Consegue enxergar aonde estou indo? Acho que fica claro, a partir de pouquíssimos exemplos, como não podemos utilizar o comportamento de outras espécies para analisar o nosso. Como observação curiosa, jamais na história foi registrado homofobia em nenhuma outra espécie animal. Um ser jamais foi morto, senão na raça humana, por ter qualquer tipo de relação com membros do mesmo sexo. Curioso, não?

Imaginemos então que, o indivíduo fervorosamente religioso e homofóbico (coisas não necessariamente simbióticas, apesar de comumente encontradas em sintonia), afirme o óbvio, que devemos analisar nossa espécie como única. Pois bem. "Só existe homem e mulher na raça humana". Sério? Errado de novo. Intersexualidade é uma condição biológica na qual, devido à mutações genéticas ou desordens hormonais, um corpo pode apresentar características sexuais de ambos os gêneros. Isso inclui pessoas que nascem com seios e pênis, com pênis mas sem testículos com um testículo e um ovário, com testículos e um mini-útero e por ai vai. Caso a origem da peculiaridade seja genética, o padrão binário XX para mulheres e XY para homens vai para o espaço... o DNA humano é capaz de conter formas XO, XXX, XXY, XXXY, XYY. e muito mais.



Digamos que, ainda assim (!), o mesmo indivíduo queira argumentar que estas são exceções da natureza e, portanto, devem ser desconsideradas. Da mesma forma que negros eram tratados como exceções da natureza até 40 anos atras, mas ignoremos a comparação e vamos em frente. Afinal, algumas de nós trans não temos qualquer deformidade genética ou hormonal e a questão se encontra, exclusivamente, no âmbito psicológico. Somos, portanto, não naturais? Vejamos.

Se dependesse somente do que é totalmente natural, não teríamos medicina. Não teríamos remédios, tratamentos, próteses, cirurgias. Se dependêssemos puramente daquilo que vem direto da natureza, não comeríamos nada enlatado, engarrafado, encaixotado, conservado. Todos nossos idosos que dependem de remédios para sobreviver seriam considerados anti-naturais e, sob essa linha de pensamento, condenados à morte. Nossos aleijados, sem próteses. Nossos recém nascidos fragilizados, sem incubadoras. Nossos partos, todos naturais. Nossas roupas? Somente couro de animal. Batido. E nossas moradias, de barro e madeira. Portanto, se pretende nos classificar como anti-naturais, favor primeiro expurgar toda a anti-naturalidade de sua vida e deixar todos os seus familiares cujas vidas dependem da medicina moderna, falecerem.

Há mais um último argumento nas religiões ocidentais, no entanto. Não contra a transsexualidade em si, mas contra a homossexualidade que é, muitas vezes, inapropriadamente associada a nós. Sem entrar na discussão do que é o que - por achar que já deixei bem claro a diferença entre essas coisas em postagens anteriores - realmente, existem passagens bíblicas contra a relação entre dois homens, por exemplo. Levítico 18:22; 20:13; Timóteo 1:10; Romanos 1:24-32; Corintios 6:9-11 e muitas outras passagens condenam a a homossexualidade. Aliais, a Bíblia tem muita coisa interessante. 

Levítico 1:9 fala sobre como Deus adora o cheiro de cordeiro queimado no altar. Êxodo 21:7 fala da normalidade que é vender a filha como escrava (sexual, talvez?). Em Êxodo 35:2, esta bem claro que a próxima vez que eu vir minha namorada, devo rapidamente efetivar sua morte. Pecadora, trabalha todo sábado como uma criminosa cruel. E segundo Levítico 24:10-16, cada vez que um americano disser "oh my fucking God", temos que juntar toda a cidade e tacar pedras nele.

Enfim. Se você, caro cidadão religioso fervoroso homofóbico transfóbico, quiser usar argumentos divinos para negar que o seu problema com homossexuais e transsexuais é puramente pessoal, por obséquio, procure um novo e me apresente. Até la, favor coçar o próprio anus com um Sabre de Luz, pois sua existência é uma vergonha à raça humana e à sua própria religião. Se existe realmente um ser supremo que nos deus a existência, a vida, e nos criou com a capacidade de decidir nosso próprio destino, nos fez a sua imagem, então tudo que temos, criamos e somos é parte dele.

Beijos,
Mayra