13 de maio de 2012

Estranhossexual

Vamos discutir algumas situações hipotéticas. Todos nós sabemos o que significam os termos homossexual, heterossexual e bissexual. E acho que a maioria de nós consegue incluir as transexuais operadas em uma categoria dessas, antigamente reservadas às pessoas "cis", sem disforia de gênero. Me arriscaria a dizer também que cada um de nós já provou de algum momento da vida que nos deu a certeza que classificações e nomeações exatas são ferramentas úteis ao aprendizado e à compreensão das coisas, inclusive e principalmente no campo das ciências humanas. Mas... será que essas classificações envolvem todas as possibilidades existentes? Ou está na hora de "revermos nossos conceitos"?

A situação à qual eu me refiro é obvia: aonde se encaixam as transexuais não operadas? Aliás, ampliemos o escopo da discussão... aonde vão parar todas as outras sub-classificações de transgêneros? "Quais", você diz? Deixa eu explicar melhor.

Transgêneros são todas as pessoas que não possuem a fisiologia e a mentalidade do mesmo gênero. Ou seja, são todas as pessoas que sofrem de disforia de gênero. Todos vocês conhecem as transexuais, ou as pessoas que nascem no corpo de um gênero mas se sentem totalmente pertencentes a outro. Mas essa é a parte simples. Se vocês ainda não conhecem, ficam sabendo agora: existem diversas outras classificações, e as principais são "bigêneros", "trigêneros", "terceiro-sexo" e "agêneros". Ferrou né?

Terceiro sexo são as pessoas que se sentem pertencentes a um gênero que não possui representação física exata e, portanto, existe somente no campo psicológico humano e não na fisiologia animal. Essas pessoas não conseguem se descrever nem como homens nem como mulheres. Bigêneros são aqueles que se sentem pertencendo aos dois sexos, e se comportam com papeis sociais e trejeitos de um ou outro sexo em situações diferentes. Trigêneros são aqueles que se sentem ora homens, ora mulheres, e ora pertencentes ao terceiro sexo que mencionei no começo. Por fim, agêneros são aqueles que não se sentem pertencendo a sexo nenhum, que são assexuados em seu comportamento e em sua auto-análise.

Tá... você provavelmente não entendeu muito bem. Deixa eu inserir um ponto de vista em sua mente: A maioria das pessoas enxerga a questão de gênero como uma barra de chocolate com duas metades, uma rosa e uma azul. Não é uma gracinha? Mas está erraaaaaaaado! Ok, piada interna, isso era uma frase do desenho "Dois Cachorros Bobos" que eu assistia quando criança. Mesmo as pessoas mais "mente aberta" costumam ter essa visão, no máximo incluindo uma área entre as duas divisões onde seja misturados os dois ingredientes. Ainda é muito limitado.

Para descontrair: aula básica de sexualidade
Veja a questão do gênero da seguinte forma: uma piscina. Um cantinho específico da piscina é bem azulado, e outro bem rosinha. Esses são os gêneros masculino e feminino. Há uma área também onde as duas cores se misturaram e ficou um negócio meio roxo. Além disso, o resto da superfície da água é ou transparente, ou possui doses diferentes das duas cores e pode ter um tonzinho mais pra lá, mais pra cá. E as pessoas todas vivem nessa enorme piscina. A maioria delas fica com a bunda quieta em um canto desses, e a maioria dessa parte fica sentada bem firme na área azul ou na rosa. Se a pessoa tiver nascido no corpo de um homem e viver sentada na área azul, parabéns, ela é um cisman, um homem que se sente como homem e não tem disforia de gênero. Se a pessoa tiver um corpo masculino e viver na área rosa ela é uma transsexual "comum", digamos assim. Fácil, né? Mas tem umas outras que ficam sentadas na área roxa (terceiro sexo), tem umas que ficam sentadas na parte transparente (agêneros), e ainda tem uns filhos-da-mãe sem o que fazer que gostam de ficar nadando pra lá e pra cá, que são os bigêneros e trigêneros. Entendeu melhor?

Ok, legal. Você acabou de sentir como se tivesse fumado um baseado enorme... e passado da validade. Mas o que isso tem a ver com a questão de orientação sexual, que foi o que abriu o post? Tudo. Veja bem. Uma mulher que gosta de outra mulher está tendo uma relação homossexual feminina, ou lésbica. Um homem que gosta de outro homem tem uma relação homossexual masculina, ou gay. Maneiro. E uma mulher que gosta de uma trans não operada, de uma bigênera ou terceiro-sexo? Essa trans tem pênis... e seios. Como se classifica a sua parceira? Tem mais, claro. Como voce classifica um bigênero que gosta do que quer que ele ou ela goste, ou a pessoa que gosta desse bigênero? Espere, não acabou! E se um agênero gostar de alguém, mesmo que não haja vida sexual? Vix.

Na verdade esse post não possui o objetivo de chegar a uma conclusão. A minha intenção é abrir um pouquinho mais a mente de vocês e ajudar a entender que a raça humana é diversa demais para ser catalogada e caracterizada sem um estudo muito profundo. E mesmo que se chegue a este nível, há aqueles indivíduos que podem mudar de classificação com o passar do tempo da sua vida, ou seja, no mínimo você deve ser capaz de aceitar a fluidez da natureza humana. Antes de terminar, gostaria de dizer que no momento me considero bigênera. Ou seja, tenho comportamento feminino ou masculino dependendo da situação. Em geral sou uma menina inconfundível, mas no sexo sou ativa, por exemplo, e gosto de usar de minha voz original, rouca e arranhada, e de meus músculos, para sedução. Posso passar uma hora brincando com desenhos diferentes com o lápis de olho e, ao sair de casa e ser ofendida por alguém, quebrar-lhe o nariz sem tapinhas ou arranhões. Posso tomar a frente e decidir tudo pelo casal ou ficar quieta e deixar ser levada pela maré. E sou muito feliz com isso.

Por fim, um motivo muito bom para que nós, humanos, sejamos tão complicados: isso é consequência direta e inseparável da nossa capacidade cerebral, tanto de processamento quanto de reflexão. Há uma citação na internet que, devido ao caráter por vezes enganoso da rede, eu prefiro não citar o autor. Ela segue dessa forma e resume bem o que é o humano: "Se nossa mente fosse simples o suficiente para que pudéssemos entendê-la, nós seríamos simples demais para que conseguíssemos entendê-la."

Beijos,
MayB