6 de abril de 2012

Ser ou não ser, eis a questão... para os outros?


Preciso relatar isso! Urgente.

Antes de eu começar a fazer academia há uns seis anos, eram comuns as situações sociais em que pessoas confundiam temporariamente meu gênero - pelo menos até eu abrir a boca. Aliais, esse foi um dos motivos para eu malhar: eu nao gosto de ambiguidades, "meio-termo", e nao via chance de ser uma bela mulher, entao decidi ser um belo homem. Bom, isso passou faz uns meses, obviamente. Mas ao parar de malhar há mais de cinco meses, 85% do que eu havia ganho no tronco e nos braços já desapareceu, e voltaram as confusões. Pouco antes de eu viajar para Sao Paulo, ao fazer um pedido em um restaurante com a minha mãe, vimos o garçom chegar, animado e simpático, perguntando: "O que as senhoras vão querer?". Tudo que pudemos fazer foi nos entreolhar e rir.

Bom, hoje eu voltei pro rio (GRAZADEUSPAITODOPODEROSOFINALMENTEMEUDEUSDOCEU), e ocorreu algo um pouco diferente.




No aeroporto de Guarulhos, ao entrar no banheiro masculino, ouvi uma moça da limpeza do lado de fora gritar desesperada "Moça!!!" e veio um rapaz correndo lá pra dentro. Quando me virei e lhe olhei ele congelou, cerrou as sobrancelhas, e saiu do banheiro. Dois segundos depois, risos. Há! Fica melhor. Ao chegar no Santos Drummond, no Rio, fui no banheiro de desembarque, lotado. Havia mais de 30 homens, sem duvida. 90% congelou o que quer que estivesse fazendo e ficou parado olhando pra mim. Um que estava no mijadouro até fechou o zíper. LOL!

Uma das coisas na qual eu pensava sobre era a possível dificuldade em frequentar banheiros femininos, depois da transição, caso me "identificassem". Quem diria que o problema seria o inverso.

Esse post vai em homenagem à equipe cirúrgica absolutamente maravilhosa que eu encontrei para me ajudar nessa parte tao complexa da vida. Voces são uns LINDOS! Mas como eu ainda não lhes perguntei se posso falar publicamente quem são, fica aqui só o agradecimento direto.