15 de abril de 2012

Primeiros Raios de Sol

Esses primeiros dias tem sido uma delícia. Sério. Tenho recebido dezenas de mensagens de força e carinho, tanto publicamente na Wall do facebook quanto de forma privada pelas mensagens. Além disso, muita gente tem se aproximado de mim para tirar duvidas e curiosidades, e eu amo isso. Afinal, esse é o propósito do blog. E na rua, com uma breve exceção de uma nojenta que me viu de Marcelo na segunda e de Mayra na quarta, todo mundo me tratou de forma absolutamente normal. Vou contar. Mas antes! Fotos e vídeos.

Meu face, minha gente, é esse:


Bem simples, né?

E eu já fiz dois videos sobre a cirurgia. O primeiro é antes do procedimento, explicando o que foi feito e porque. O segundo é no terceiro dia depois da operação, e eu elaboro sobre as consequências  a curto prazo, tanto físicas quanto emocionais, da coisa toda.






Bom...

Segunda-feira dia 9 eu ainda estava de Marcelo, mas foi importante. Fui no salão para fazer a unha (apesar de não querer pintar no dia) e a sobrancelha. Essa eu fiz em um formatinho bem feminino, e pra isso eu tive que explicar a história para a menina que fez. Foi um salão em copacabana, então obviamente a menina já tinha atendido outras trans. Depois fui com um amigão no shopping, porque precisava comprar pelo menos um conjuntinho pra usar na quarta nas compras. Eu ia sozinha, combinamos de irmos juntos no ultimo segundo, e foi ótimo. Como todo homem companheiro, carregou as roupas todas dentro da loja e ajudou a procurar coisinhas. Além disso, conversamos e rimos juntos como sempre fazemos.

Bom, a maior parte das compras foram na Renner. Das lojas âncora de shopping, ela com certeza é a mais arrumadinha e com as melhores roupas. E como eu tinha que comprar coisas em MASSA, não dava pra ficar indo em loja cara.  Passamos umas duas horas la dentro. Levei três blusas, duas calças e um cintinho. No fim das contas, só uma calça serviu, o resto eu troquei na quarta, mas foi perfeita: cintura alta, com uns enfeitezinhos bonitos mas não carnavalescos, e boca larga. Ou seja, disfarça o tamanho do pé =) Depois passamos na Myth, onde comprei duas blusinhas pretas das quais uma foi aquela na foto do post anterior, que virou a roupa de quarta, e a outra eu troquei na quarta também. Por último, um crepe com bate papo na Chez Michou. Calcinhas e sutiãs eu já tinha. Para os pés, uma havaiana. Fica a dica: as Havaianas vendem modelos femininos até tamanho 44 pelo site, vale a pena dar uma conferida.

 Repare nos braços, como as veias são protuberantes, e no tamanho das mãos.
Esses são alguns dos problemas que nós trans enfrentamos... mas há técnicas para disfarçar!
  
Quarta-feira, dia 11, foi um dia bem mais comprido. Saímos eu e minha (ex-)namorada de carro. Primeiro fomos na Pé de Anjo, uma pequena rede, com loja no centro, em copacabana e em Niterói, que vende tamanhos especiais feminino e masculino. No caso das moças, vai até 43. Comprei um saltinho e duas sapatilhas, que apesar de lindas estão matando meus calcanhares. Mas enfim... a loja é pequena, o atendimento é só razoável, e o preço é um pouco alto... cada sapatilha foi 120, o salto foi uns 200. Mas com a falta de concorrência, não há como culpar a falta de investimento ou de preços mais agressivos. E para ir nessa loja, de carro, em copa, tivemos que estacionar do outro lado do mundo... quase 15 minutos andando pra chegar lá. No sol de meio-dia. Joinha. Na saída a dona moça ficou sentada com os sapatos lá e eu fui pegar o carro pra pegar ela na loja, bem mais prático que andar tudo de novo com as sacolas.

Próxima parada foi o shopping Rio Sul. Passei horas de novo na Renner, mas dessa vez foi bem mais tempo porque eu fui no provedor experimentar as coisas. Foi uma longa dança de escolher mais de 30 peças para acabar levando 7, 8... se não fosse o suporte da Jana, e a paciência dela de sair sozinha do provador para deixar peças que não havia servido e pegar novas para me trazer, eu nunca teria conseguido fazer isso. Aliais, comentei esse fato com ela mais tarde e ela respondeu "hah, me auto-sabotei então né". Bom, não. Ajudar quem você ama a encontrar a felicidade não tem como ser sabotagem... e eu ia encontrar uma forma de um jeito ou de outro. Só sou muito agradecida pelo jeito ter sido esse.

Outro lugar que fui foi uma ótica. Comprei um RayBan aviador feminino lindo, depois tiro fotos com ele. E com desconto ainda. Um corretivo na MAC, onde titubeei ao ter que responder a pergunta "Qual o seu nome?", porque nunca tinha falado o "Mayra" antes assim para uma desconhecida, e provavelmente fui identificada por causa disso. Mas me trataram de forma normal e polida, então menos mal. Passamos, por último, na Myth, para trocar uma das blusinhas de segunda. Ali foi o único lugar que encontrei alguma resistência. Primeiro, fiquem sabendo: o atendimento da Myth do Rio Sul é um lixo. As atendentes pegam as roupas para te mostrar como um presidiário pega comida na fila da cantina. Pra completar, a nojenta da gerente estava do lado quando eu estava abrindo a bolsa pra pagar, e demorei um pouquinho para encontrar minha carteira. Ai ela falou um "você já deu a peça pra ele?". Ou seja, "esse traveco já pode ir embora?". Ela tinha me visto segunda feira, então sabia quem eu era. A pergunta é... precisava? Tipo filha, você acha que é o que porque trabalha na Myth? Sua lojinha é sem sal e tudo que vende nela tem a mesma qualidade da peças de 15 reais na Feira dos Paraíbas. Dá um tempo.

Bom, no fim estava cansada e meu pé estava machucado de usar as sapatilhas que tinha comprado, mas eu tinha conseguido o que queria. E chegando a noitinha eu fiz meus 15 minutos de fama com minha revelação no facebook. Super valeu a pena.


Sexta-feira, dia 13. Esse dia foi interessante por causa da ida à faculdade. As pessoas todas me trataram com normalidade, pessoas que sempre me viram lá como homem e muitas que não faziam ideia que eu ia fazer essa transição, então foram pegas completamente de surpresa. Mesmo assim foram totalmente polidas, pelo menos na minha frente. Como eu disse ha uns posta atras, até que o mundo está um pouco mais evoluído do que imaginamos.


Para terminar, o dia de ontem, Sábado, 14. Fui visitar minha mãe e saímos para almoçar. Não só ela conseguiu me tratar como "minha filha" 90% do tempo que estávamos em publico, como todo mundo me tratou perfeitamente bem. Legal né? Ela até retocou minha maquiagem e botou uma sombrinha, pra dar mais uma graça. Me deu varias roupinhas que estavam lá sem uso para experimentar também, ver se eu queria algo, e se esse algo caberia em mim. Deu tudo certo. No entanto, uma hora pedi uma informação e a menina me respondeu com um "senhor", pois estava de costas e não havia me visto. ALGO me diz que tenho que trabalhar um pouco mais na minha voz, não é mesmo?

PS: Essas fotos foram minha mãe quem tirou. Brigadinha, mãe ;)

Beijinhos.