10 de fevereiro de 2012

Olho do Furacão

17/01/12

...mais conhecido como "TPM".

Não é legal? Não é só pelo conhecimento prévio de que isso aconteceria por estar tomando o progesterona pela primeira vez, já que estou chegando no fim do primeiro mês de hormônios. É mais por causa da grande instabilidade emocional que senti em três dias. Passei esse fim de semana com minha namorada e devo ter “quase-chorado” (sabe, de ficar com os olhos úmidos, escorrer uma lagriminha ao falar de algo) pelo menos quatro vezes. E eu era uma pessoa extremamente difícil pra chorar. Além disso, a facilidade com a qual se sente irritação, solidão, amor, carinho, frustração, realização, sei lá, tudo ao mesmo tempo... confuso! E incrível também  Posso afirmar de mente certa que um homem nunca vai entender como uma mulher se sente, não inteiramente. O máximo que os meninos podem fazer é ter muita paciência, porque a gente é assim mesmo. E sim, é hormonal. Além das dores e desconfortos adicionais na época da menstruação mesmo, problema esse que, pelo menos, nunca vou sentir.

Aliás , os efeitos gerais dos hormônios na minha sensibilidade, ou seja, a profundidade com a qual eu processo emocionalmente as ocorrências, são notáveis. É difícil separar o que é diretamente fisiológico do que é psicologicamente desencadeado pelo fato de estar, finalmente, dando inicio material a esse processo. O ponto é: muda muita coisa. Eu chego a dizer que não tenho certeza se um homem com sua carga hormonal normal sabe realmente o que é amor. Não depois da forma nova como sinto amor pela minha menina especial.

Anyway, sim, algumas outras besteirinhas também. Mudanças no corpo tem se revelado, principalmente da cintura pra baixo. Meus glúteos eram 100% duros-como-pedra antes. ADEVENHA? Não são mais, né. São muito mais redondinhos agora, por sinal, ao invés de possuir aquelas ‘entradas’ laterais comuns nos glúteos masculinos. Foi ali que notei a maior mudança. Os seios não apareceram quase nada além de terem o mamilo, a auréola e a região próxima da pele ganho uma certa protuberância, mas ainda é discreto, a menos que eu ponha uma blusa muito fina e muito colada. Afinal, eu ainda tenho músculos desenvolvidos no peito (modéstia a parte, eu fazia um supino muito bom), então qualquer protuberância ficara ‘puxada’ pela pele e se distribuirá pela área do músculo por enquanto, tornando mais difícil de ver. E as boxexas, crescendo mais um pouquinho.

Uma mudança que eu tenho causado ativamente é a da marca de sunga. Ao descer para a piscina do prédio agora, por ficar quase sempre vazia, eu dobro a sunga no formato de um biquíni para, quando estiver usando um mesmo, não estar com aquela região da cor de que nunca tomou sol na vida. Mas de vez em quando tem gente em volta sim. Eu não sei se ninguém nunca reparou ou se ninguém ligou, mas nunca enfrentei nenhuma ridicularização por isso. Eu acho que é um misto das duas coisas, mas de qualquer forma, muitas coisas na minha vida tem me feito acreditar que a sociedade anda mais evoluída do que se costuma crer. Ou eu sou muito sortuda mesmo.